quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Poesia Palaciana

Poesia Palaciana

Conforme já dito no capítulo relativo às crônicas históricas , o Mercantilismo e outros acontecimentos de âmbito português modificaram o gosto literário do público , diminuindo-o quanto à produção lírica , o que manteve a poesia enfraquecida durante um século ( mais ou menos de 1350 a 1450 ) . No entanto , em Portugal , graças à preferência do rei D.Afonso V ( 1438-1481) , abriu-se um espaço na corte lusitana para a prática lírica e poética . Assim , essa atividade literária sobreviveu em Portugal , ainda que num espaço restrito , e recebeu o nome de Poesia Palaciana , também identificada por quatrocentista.

Essa produção poética tem uma certa limitação quanto aos conteúdos , temas e visão de mundo , porque seus autores , nobres e fidalgos , abordavam apenas realidades palacianas , como assuntos de montaria , festas , comportamentos em palácios , modas , trajes e outras banalidades sem implicação histórica abrangente . O amor era tratado de forma mais sensual do que no Trovadorismo , sendo menos intensa a idealização da mulher . Também , neste gênero poético , ocorre a sátira .

Formalmente são superiores à poesia trovadoresca , seja pela extensão dos poemas graças à cultura dos autores , seja pelo grau de inspiração , seja pela musicalidade ou mesmo pela variedade do metro estes dois últimos recursos conferiam a cada poema a chance de possuírem ritmo próprio . Os versos continuavam a ser as redondilhas e era normal o uso do mote . A diferença mais significativa em relação às cantigas do Trovadorismo é que as poesias palacianas foram desligadas da música , ou seja , o texto poético passou a ser feito para a leitura e declamação , não mais para o canto .




TEXTO PALACIANO

“Que de meus olhos partays
em qual quer parte questeys ,
em eu coraçam fycays
e nele vos converteys .
Este é o vosso luguar ,
Em que mays çerta vos vejo ,
por que nam quer meu desejo
que vos dy possays mudar .
E por ysso que partays ,
em qual quer parte questeys
em meu coraçam fycays ,
pois nele vos converteys .
"
( Rui Gonçalves )
Neste texto , notamos o envolvimento íntimo do autor através de sua confissão amorosa , em que chega a afirmar que , mesmo com a amada se ausentando , ela continuará presente , pois ela se transformara no próprio coração do poeta . Notamos , ainda , uma linguagem simples e grafia mais próxima de hoje , mas preserva-se aí a coita amorosa , à moda trovadoresca .

5 comentários:

  1. este texto voce diz ser palaciando,
    mas no comentario do texto voce escreve "à moda trovadoresca"...
    ele é palaciano ou trovadoresco?

    natty

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele é palaciano... Da época do humanismo... a referencia a poesia trovadoresca se dá pelo fato d q as poesias palacianas tinham características trovadorescas... como as coitas de amor...
      Mas... diferente da poesia trovadoresca, a palaciana, foi escrita para ser declamada... Não cantada...
      Espero ter ajudado...
      Com amor... Anick
      Bragança-PA; Prof Bolivar Bordallo; 113

      Excluir